• Pirenópolis 01
  • Pirenópolis 02
  • Pirenópolis 03
  • Pirenópolis 04
  • Pirenópolis 05
  • Pirenópolis 09
  • Pirenópolis 10
  • Pirenópolis 11
  • Pirenópolis 12
  • Pirenópolis 13
  • Pirenópolis 14
  • Pirenópolis 15
  • Pirenópolis 16
  • Pirenópolis 17
  • Pirenópolis 18
  • Pirenópolis 19
  • Pirenópolis 20
  • Pirenópolis 21
 

Pirenópolis - Pontos turísticos

Centro histórico

Constitui a parte mais antiga do município, abrange a área histórica, quase um terço da área total é tombado pelo IPHAN como patrimônio histórico. A cidade tem um traçado irregular, de influência colonial, adaptando-se de forma orgânica às curvas do terreno e sendo influenciada pela arquitetura religiosa. A arquitetura civil, ao contrário da religiosa, é simples perto da de outras cidades brasileiras da época. Recebeu influência da arquitetura portuguesa, como construções com sacada em pedra ou madeira, fachadas contíguas e grandes quintais, adaptada ao clima tropical do local. O cenário fica ainda mais bonito à noite, quando são acesas antigas luminárias. Cinema Pirineus - Sua fachada originalmente em estilo neoclássico foi alterada em 1936 para o estilo Art Deco. Construído pelo Padre Santiago Uchôa, em 1929, hoje funciona como espaço teatral, cinema , galeria e apresentações musicais. Está localizado na rua Direita, uma das ruas mais bem conservadas de Pirenópolis com seu casario.

Casa de Câmara e Cadeia

Este monumento foi construído em 1919, como réplica idêntica à Casa de Câmara e Cadeia de 1733, a mais antiga do estado de Goiás, que ficava na rua do Rosário, perto da Igreja Matriz.

Está localizado em frente ao Rio das Almas próximo à Ponte de Madeira e tem dois pavimentos. Restaurado pelo IPHAN já foi adaptado com acesso para deficientes e abriga o Museu do Divino.

Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário

Para o povo goiano a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário é o maior centro da fé católica.

Em estilo colonial, a matriz tem os alicerces de cantaria (pedra) e as paredes feitas de taipa de pilão (barro socado). Apenas as paredes mais altas das torres são feitas de adobe (tijolo cozido ao sol). A igreja de 1728,é considerada a mais antiga de Goiás, foi construída de forma que, a qualquer hora do dia, o sol ilumine a sua fachada. Um incêndio em 2002 destruiu boa parte do interior, onde pinturas e detalhes em ouro ornamentavam os altares. As obras de restauração começaram em 2003 e ainda continuam, porém, não impedem a visita à construção.

Igreja de Nosso Senhor do Bonfim

Dedicada ao Senhor do Bonfim, a igreja foi erguida a partir de 1750, ano em que chegou a imagem de Nosso Senhor Jesus do Bonfim , trazida de Salvador pelo sargento-mor Antônio José de Campos, estando concluída em 1754. Típica igreja colonial portuguesa, com duas torres sineiras laterais, possui quatro sinos sendo que um deles é um dos mais antigos de Goiás, de 1756, a Igreja chama a atenção por suas dimensões e pela posição de destaque na elevação onde foi instalada.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo

É um dos marcos de fundação da cidade, foi construída entre 1750 à 1754, por Luciano da Costa Teixeira e seu genro Antônio Rodrigues Frota, como capela da família. Está às margens do Rio das Almas após a Ponte de Madeira. De grande simplicidade guarda uma decoração barroca rococó nos altares do interior com rica talha e significativa estatuária. Restaurada em 2008 abriga também o Museu de Arte Sacra.

Teatro de Pirenópolis

Construído em 1899, ao lado da praça da Matriz, por Sebastião Pompeu de Pina em estilo eclético com elementos do colonial e do neoclássico. Foi restaurado nas comemorações do seu centenário com o desenho e estruturas originais preservados sendo acrescentados espaços de apoio como camarins e depósitos. O fundo do teatro se liga ao cinema através de seus quintais formando um entroncamento cultural com pequeno palco ao ar livre para apresentações. Comporta até 160 pessoas espalhadas entre plateia e camarotes.

Museu das Cavalhadas

O colorido museu reúne indumentárias e objetos que contam a história da Festa do Divino, a mais tradicional da região.

Museu das Rodas

É a realização de um sonho de resgatar e restaurar veículos antigos motorizados de duas rodas. São motocicletas, bicicletas motorizadas, scooters e veículos com mais de duas rodas que possuem motorização. Bicicletas de passeio masculinas e femininas, bicicletas esportivas e veículos representativos da evolução da bicicleta estão expostos. O visitante ainda poderá conhecer uma coleção de brinquedos antigos. Esta coleção está centrada num conjunto expressivo de brinquedos à corda de décadas anteriores a 1980. Rodas do Tempo contempla uma proposta educativa e cultural. O resgate da história de veículos de duas rodas permite ao visitante, de qualquer idade, admirar sua evolução tecnológica e social através dos tempos.

Cachoeiras

São no total, 82, porém poucas são abertas a visitação, escondidas em reservas ecológicas ou não, são as maiores atrações turísticas da cidade, com quedas que podem chegar a 70 metros. As mais visitadas são:

Cachoeira do Dragão Várzea do Lobo

Escondida na Reserva Ecológica Várzea do Fogo, tem acesso depois de quatro horas de caminhada média. Ao longo do percurso há oito cachoeiras com poços para banho e um mirante que descortina a bela queda, que chega a 70 metros.

Cachoeira do Abáde

A mata emoldura a cascata de 22 metros que forma um grande poço de águas verdes. É procurada também para a prática de rapel.

Cachoeira do Rosário

Com 40 metros de queda, é procurada para a prática de rapel - a aventura termina em uma bela piscina natural. A cachoeira fica no Santuário das Araras e é acessível por trilha (uma hora de caminhada). O espaço oferece, ainda, mirante e almoço caipira.

Cachoeiras da Meia-lua e da Usina Velha

As cachoeiras formam uma sequência de quedas - a maior tem dez metros de altura - que termina em uma piscina natural.

Cachoeiras do Lázaro e de Santa Maria

Ambas ficam na reserva de Vargem Grande e formam bons poços para banho. A de Santa Maria, de oito metros de queda, é acessível por trilha fácil e que exige apenas dez minutos de caminhada. Já para apreciar os 15 metros da cachoeira do Lázaro é preciso andar um pouco mais.

Cidade de Pedras

É uma área de cerca de 600 ha, a 56 km de Pirenópolis, com diversas formações rochosas em quartzito que formam cânions, labirintos e formações com rochas de formatos diversos, lembrando animais e rostos. Para se visitar o local, conhecido com Serra de São Gonçalo, é imprescindível a presença de um guia experiente, pois a caminhada é de dificuldade média a alta, com cerca de 10 km, em trilhas sujas de mato e muito acidentado. Não há rios nem cachoeiras no local. É considerada a maior cidade de pedra do Brasil e é de propriedade particular.

Reserva Ecológica de Vargem Grande

Os principais atrativos da Reserva Ecológica de Vargem Grande são as cachoeiras do Lázaro e de Santa Maria, além de trilhas. Para se chegar a Cachoeira do Lázaro são 500 metros de caminhada, acesso plano e calçado, dificuldade baixa. A Cachoeira de Santa Maria são 1.300 metros de caminhada, subida, trilha de dificuldade média e sem calçamento.

Parque Estadual da Serra dos Pireneus

O Parque Estadual da Serra dos Pireneus ou Parque dos Pireneus está localizado entre os municípios de Pirenópolis, Cocalzinho de Goiás e Corumbá de Goiás. Os pontos mais visitados são: O Pico dos Pireneus, ponto culminante da região, com 1.385 metros de altitude; formações rochosas próximo ao Morro Cabeludo, usadas para a prática de escalada; os Pocinhos do Sonrisal (Córrego Capitão do Mato); e as trilhas para prática de ecoturismo. A Serra dos Pirineus abriga cachoeiras para todos os gostos - caudalosas, repletas de piscinas, perfeitas para a prática de esportes radicais.

Copyright©2014 - Todos os direitos reservados - Viver Turismo - Fone: (62) 3294-4798 - Goiânia - GO